2017: COMO FICA A COMUNICAÇÃO NA ERA PÓS DIGITAL?

Com a chegada do fim do ano, é normal fazermos algumas avaliações sobre o período que passou para traçar novas tendências e perspectivas. Assim, podemos nos preparar melhor para atender as novas demandas do mercado. E, nesse caso, avaliar como os consumidores estão se relacionando com as marcas se apresenta como uma das maneiras mais efetivas de alinhar a comunicação empresarial aos objetivos estratégicos da empresa.

Para isso, convém nos localizarmos no tempo em que vivemos. Concordo com Walter Longo, presidente da editora Abril, quando diz que já estamos na era pós-digital. Atualmente, não existem barreiras entre o mundo online e off-line, tudo está o tempo todo interligado. E, sendo assim, para conseguir otimizar seus resultados é imprescindível entender as características desse momento para atender os desejos desse novo consumidor.

Na era pós-digital, para ter sucesso em suas ações de comunicação e marketing, você deve antecipar as tendências de mercado, entender suas características e aplicá-las na prática. Veja a seguir algumas delas:

#Efemeridade: ao estarmos conectados 24 horas por dia, sete dias por semana, não é de se espantar que com toda essa velocidade de acesso às informações, seja mais difícil retê-las como acontecia há algum tempo. Tudo muda o tempo todo. Não é à toa que ferramentas como Snapchat cresceram como nunca. Para o ano que vem, a tendência é que essa mídia em tempo real se expanda ainda mais. Assim, irão se destacar no mercado as marcas que conseguirem passar sua mensagem de forma curta e direta através de um conteúdo exclusivo, fazendo com que seus consumidores se sintam conectados e únicos ao mesmo tempo.

#Multiplicidade: se tudo muda o tempo todo, vale lembrar que tudo também está conectado, interligado. Pense na quantidade de dados pessoais que apenas um smartphone tem em sua memória. Essas informações conectadas a Internet das Coisas têm um poder imensurável. Por isso, é tão importante que os profissionais de marketing já comecem a utilizar esses dados para se envolver com seus clientes de diversas formas. Para atingir um público de maneira efetiva, os anúncios deverão ser direcionados de acordo com os movimentos e comportamentos das pessoas que se pretende acessar.

#Sincronicidade: outra característica desses tempos modernos é que, hoje, as pessoas não mais são, elas estão. Por isso, é preciso entender os problemas reais e necessidades dos clientes para definir com qual linguagem, ferramenta e abordagem você poderá se comunicar com eles. As informações não são estáticas, cada vez mais é necessário perceber em que estágio de vida e, consequentemente, de compra, o seu consumidor está. E, é aí que o Inbound Marketing apresenta seu grande potencial, uma vez que, ao mapear o estágio de compra do público-alvo, propicia às marcas uma abordagem mais estratégica e eficaz.

Esses elementos agregados a um eficiente marketing de relacionamento, que foque na construção de uma lealdade, um envolvimento e no desenvolvimento de conexões mais fortes e emotivas com o cliente, poderão potencializar (e muito!) seus resultados em 2017. Portanto, mediante a essas informações, você já pode começar a traçar um planejamento de comunicação aliado às necessidades e tendências dessa nova era.

Janaína Almeida é jornalista na Informa Mídia Comunicação, e colaboradora do Blog da PME.

Fonte: Portal Administrador

Anúncios

FACEBOOK ADMITE ERRO EM MÉTRICAS DE ENGAJAMENTO DA REDE SOCIAL

O Facebook reportava algumas métricas erradas de engajamento para publishers, informou a companhia em um blog post nesta quinta-feira (16). A rede informou que calculava errado a contagem de visualizações de alguns de seus sistemas de relatório de anúncios.

Nós descobrimos um bug no Page Insights [cujo equivalente em português é Informações]. Em um dos painéis Páginas, um resumo que mostrava o alcance orgânico nos últimos 7 ou 28 dias era calculado de forma errada, exibindo apenas a soma diária de alcance em vez de somar os visitantes repetidos durante estes períodos (repare no círculo vermelho na captura de tela abaixo).

Aqui a imagem:

erro-metrica-facebook

Continua o Facebook em seu post:

O resumo dos números dos últimos 7 dias no painel de visão geral será 33% menor que a média, e no dos últimos 28 dias será 55% menor; dados dos outros campos não foram afetados pelo erro. A falha ocorre desde maio; nós iremos consertá-la nas próximas semanas.

Em outras palavras, o Facebook mostrava dados que inflava o número de usuários atingidos organicamente de uma página. O Facebook também admitiu erros na forma como os anúncios em vídeo eram contados, em tempo gasto em publicações com Instant Article (ferramenta da rede social para fazer páginas carregarem mais rápido) e em links provenientes de apps.

Esta não é a primeira vez que o Facebook admite culpa sobre métricas na rede social. Em setembro, a empresa informou que estava superestimando a métrica de “duração média de visualização” de 60% a 80%.

A empresa agora diz que vai trabalhar com terceiros para verificar seus dados. Por exemplo, a companhia está fazendo uma parceria com a Nielsen para contar melhor visualizações do Facebook Live. Lógico, este tipo de conversa não tem significado tão grande, pois a caixa preta das métricas do Facebook é ainda controlada inteiramente pela própria companhia.

Com a aparição de mais problemas envolvendo suas métricas, o Facebook mostra que não está tendo uma boa semana.

A empresa tem sido alvo de críticas nos Estados Unidos pelo papel desempenhado em não tentar coibir notícias falsas de serem propagadas, com medo de uma possível dos conservadores, como revelado pelo Gizmodo US. Agora, a companhia tem sido alvo de várias críticas pela forma como deveria ter lidado com este problema de sites de notícias falsos— a coisa está tão grave que até funcionários da companhia estão revoltados com a falta de ação da rede.

Fonte: Gizmodo